Aparelho Lacrimal

Clinica de Olhos Dr. Paulo Janot

Aparelho Lacrimal

E-mail Imprimir PDF

A glândula lacrimal fabrica a maior parte da lágrima que banha o olho. No canto interno da pálpebra(próximo ao nariz) existem um orifício e um canal que levam a lágrima já usada para o nariz. A lágrima serve para limpar, facilitar o ato de piscar e nutrir o olho.

O aparelho lacrimal consta da glândula lacrimal, glândulas acessórias, canalículos, saco lacrimal e canal naso lacrimal. A glândula lacrimal é uma glândula secretora de lágrima localizada na órbita. As lágrimas passam sobre a córnea e conjuntiva, umidecendo a superfície destas estruturas.

Elas escoam nos canalículos lacrimais através dos pontos lacrimais, aberturas arredondadas de cerca de 0,5mm de diâmetro na porção medial das bordas das pálpebras.

Os canalículos têm cerca de 1 mm de diâmetro e 8 mm de comprimento e se juntam para formar um canalículo comum antes de desembocar no saco lacrimal.

O saco lacrimal é a parte dilatada do sistema de escoamento lacrimal que se situa na fossa do osso lacrimal.

O canal nasolacrimal é a continuação para baixo do saco lacrimal. Todo o sis­tema para escoamento lacrimal é revestido de epitélio. As lágrimas penetram nos pontos lacrimais por efeito de capilaridade. As forças combinadas de atração capilar nos canalículos, gravidade e ação de bombeamento do músculo orbicular palpebral no saco lacrimal, mantém a continuidade do fluxo das lágrimas no canal naso lacrimal para o nariz e nasofaringe.

Lágrimas

As lágrimas são uma mistura das secreções das glândulas lacrimais (principal e acessória), das células caliciformes e das glândulas meibomianas.

Em circunstâncias normais o fluido da lágrima forma uma fina camada de aproximadamente 7-10 mm de espessura que cobre o epitélio da córnea e da conjuntiva. As funções desta camada ultrafina são (1) fazer da córnea uma superfície óptica, lisa, abolindo minúsculas irregularidades da superfície do seu epitélio; (2) umedecer a superfície do epitélio da córnea e da conjuntiva, prevenindo con­tra danos nas células epiteliais; e (3) inibir o desenvolvimento de microorganismos na conjuntiva e córnea, através de fluxo mecânico e da ação anti­microbiana do fluido lacrimal. 

Veja Também

Fisiologia da Visão
Anexos Oculares
Íris
Como Enxergamos
Conjuntiva 
Córnea
Coróide
Cristalino
Esclera
Humor Aquoso
Humor Vítreo
Retina
Úvea

Última atualização ( Ter, 18 de Março de 2008 16:31 )  

Get Adobe Flash player


Mais lidos